quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Universo

O mundo é um lugar onde pessoas misturam seus mundos
Tavares, Cecília, Alberto ou Raimundo
Alegres, sofredores, saudáveis ou moribundos
Todo mundo vê pela lente do muro que separa o seu mundo

Não é diferente comigo, contigo ou com elas
A Terra é cinza quando o nosso mundo é de mazelas
Duvidas do que diz esse poema-prosa?
Então me diga se quando seu mundo é de paixão ele não é rosa?

O gostoso é misturar esses planetas isolados
Entrar em outro mundo e sentir a atmosfera
Conhecer os inúmeros países, ilhas e principados
Conhecer as inúmeras culturas dessa outra esfera

No meu mundo há pelo menos três nordestes
Duas regiões sul e quatro sudestes
Não tenho Norte
Nem centro-oeste
Os estados não são unidos
E há guerras constantemente
Sem sangue, armas ou feridos
E paz diariamente

Mundos azuis, cinzas ou grenás
Silencioso, sem vida ou cheio de tangarás
Com animais em suas litosferas lacrimais
Discretos, ousados
Com formas e sistemas solares variados
Há mundos redondos, triangulares e até quadrados
De felicidade demente ou sempre triste
Consciencioso ou com o dedo em riste

Está pensando que esses mundos não existem?

Está me achando bicho-grilo?
Que é uma variação?
Estás achando que esse poema é uma pilheira de pilhérias?
Então preste atenção:

No mínimo somos mundo e nação de milhares de bactérias!








7 comentários:

Batom e poesias disse...

Ro
Compartilho desse prazer de misturar "planetas" isolados. As diferenças são enriquecedoras e interessantes.

Não acho que você está "variando" só por variar...rss
Bjcas

Pedro disse...

Rodrigo,

Li seu blog por completo e gostaria de parabenizar pelo conteúdo e aparência. Belo e rico em DiVERSIDADE coisa rara nos dias de hoje. Confesso que após lhe conhecer no Baixo Gávea fiquei muito impressionado com suas idéias sobre arte e tal. Gostei do que li em seu “livro piloto” tanto que fugi da conversa para ficar lendo. Mas não posso me furtar de dizer algumas coisas.

Samba Suburbano? Vi que conhece muito bem música, mas acho impossível que seja conhecimento suburbano. Acho que criou um personagem e não acho isso legal. Não que não seja sambista, pois basta conversar com você 5 minutos que percebemos o conhecimento de causa. Mas suburbano impossível! Incorpore o real e saia do imaginário, pois ninguém deixará de lhe dar valor se não tiver esse rótulo. O subúrbio é funk, não é samba desde a década de oitenta. O Zeca Pagodinho mora na Barra e duvido que saia do ar condicionado do seu carro para visitar Madureira. E acho sinceramente que sambista e poeta são coisas muito díspares. Não me entenda mau, acho seu trabalho poético muito bom e percebo que é um cara extrovertido e animado, mas não acho legal vestir uma fantasia.

Pedro

Rodrigo Braga disse...

Obrigado pela visita Rosana.

Viva a diferença!

Rodrigo Braga disse...

Pedro,
Viva a diferença!
Diferença entre eu e meus amigos e uma pessoa preconceituosa como você.

ACHO QUE QUEM ESTÁ FANTASIANDO É VC.

Pedro Wisik disse...

Opa! Me deparo com um Gabeira 43! Nem preciso dizer mais nada...

Zélia Guardiano disse...

Muito, muito interessante, amigo Rodrigo!
Grande alento e forte inspiração de mãos dadas...
Poema para se ler, reler e ler outra vez...
E é o que vou fazer!
Grande abraço, querido!!!

Rodrigo Braga disse...

Feliz com visitas como a sua Zélia! Ler e reler...obrigado.